Tags

Negócios

6 tendências de pagamento para serem acompanhadas em 2024

Créditos: https://depositphotos.com/br/in
30 janeiro, 2024
Da Redação, com assessoria

Mudanças são uma constante na indústria de pagamentos e 2024 promete ser palco de várias. De modo geral, é provável que se tenha uma espécie de inversão nas normas aceitas anteriormente: empresas que só operavam a nível local passarão a operar globalmente; tecnologias exclusivas e de circuito fechado devem se abrir; soluções genéricas serão cada vez mais adaptadas às necessidades do usuário; e redes isoladas ficarão cada vez mais interoperáveis. Somando a esse cenário o poder da Inteligência Artificial ​​e o crescente retorno das viagens de lazer, é possível ter uma boa noção das forças que vão moldar o setor em 2024. Acompanhe seis grandes tendências de pagamento listadas pela Visa.

Quer saber tudo sobre Universo Sugar? Clique aqui e leia o e-book O Guia dos Sugar Daddy & Sugar Babies

1. A globalização dos criadores e das MPEs

Independentemente de operarem na economia dos criadores, na economia compartilhada, de serem empresas de e-commerce ou pequenas operações físicas mais tradicionais, 2024 é o ano em que as MPEs (micro e pequenas empresas) se globalizarão. De modo geral, a ideia agora é que empresas de todos os portes atuem também na economia digital global e não apenas no bairro em que está situado o negócio. Quatro de cinco MPEs (79%) citaram as vendas internacionais como um meio de crescer. E os consumidores estão prontos para elas. Cerca de 72% dos clientes se dizem confortáveis ​​em comprar de empresas de outros países.

Os pagamentos digitais estão trazendo novas oportunidades para as MPEs pagarem e serem pagas. Além disso, lhes permitem alcançar novos públicos, aceitar pagamentos seguros com facilidade, acompanhar e monitorar despesas, reforçar a segurança, ganhar eficiência e crescer como nunca. Graças às inovações nos pagamentos, os estabelecimentos comerciais têm acesso em tempo real à receita das vendas e recebem pagamentos de consumidores e empresas facilmente. Cartões virtuais e outras soluções de pagamento também estão fornecendo o fluxo de caixa, a capacidade de compra e as ferramentas que as MPEs precisam para gerenciar as despesas e prosperar no mundo digital de hoje.

Em 2024, as micro e pequenas empresas deverão se beneficiar do aumento da digitalização, o que acelera e protege os pagamentos e torna a expansão para além das fronteiras geográficas mais fácil do que nunca.

2. A interoperabilidade ganha força

A conveniência e a velocidade dos pagamentos digitais transformaram como é movimentado o dinheiro dentro e fora das fronteiras. Mas a explosão das redes e dos meios de pagamento – como apps de transferência de fundos, carteiras e blockchains – combinada a uma infraestrutura antiga trouxe descontinuidade e fragmentação à experiência de pagamento. Normalmente, cada solução opera isolada dentro do seu ecossistema.

Mas isso já começa a mudar. Com os operadores de pagamento priorizando a interoperabilidade, em breve, a movimentação mundial de fundos ficará mais fluida e chegará a um estado em que pagamentos envolvendo vários serviços serão efetivados com tanta fluidez quanto os que utilizam um único serviço. Isso quebrará barreiras e trará inúmeros benefícios aos utilizadores finais, às instituições financeiras e seus clientes corporativos, aos facilitadores do setor fintech e aos provedores de apps.

Em 2024, continuaremos vendo bancos, instituições financeiras, estabelecimentos comerciais, fornecedores e facilitadores de tecnologia, e emissores colaborando em todo o ecossistema de pagamentos, o que resultará em mais inclusão financeira global, acessibilidade, bem como compatibilidade e interoperabilidade entre sistemas. A expectativa é que haja mais tecnologias sendo desenvolvidas para ajudar consumidores e empresas a navegar os meandros e as complexidades da movimentação internacional de fundos.

3. Infraestrutura aberta soluciona problemas complexos de pagamento

Hoje, se uma solução tecnológica é inconveniente, os consumidores não a adotam, pois é quase certo que encontrem uma opção melhor, mais fácil e mais adequada. Os pagamentos não estão imunes a esse tipo de expectativa. Em 2024, provavelmente se verá uma migração notável para uma infraestrutura de tecnologia de pagamentos mais modular e compatível com diferentes plataformas, possibilitando que as empresas ofereçam, mais facilmente, as experiências que os consumidores esperam.

Mas o que isso significa na prática? Significa que as empresas podem utilizar os produtos e serviços que precisam, no momento necessário. Sua companhia não tem uma boa solução de token? Agregue uma às tecnologias já utilizadas. Precisa de uma experiência omnichannel melhor? Implemente uma sem reformular seu gateway de pagamentos. Serviços de pagamento compatíveis com diferentes redes resolvem problemas verdadeiramente complexos com soluções prontas para usar.

Além disso, será possível ver mais empresas de pagamento transformando sua infraestrutura com ferramentas abertas e mais e mais empresas se beneficiando dessas novas camadas e capacidades. Com isso, o mundo do comércio ficará mais fácil de operar.

4. Consumidores esperam soluções sob medida

As expectativas dos consumidores não estão moldando só a infraestrutura para pagamentos — cada vez mais, os consumidores buscam experiências sob medida para suas necessidades. Para que bancos e instituições financeiras consigam oferecer esse tipo de experiência, será preciso uma transformação significativa. Por meio de serviços, esses atores poderão oferecer o que os clientes desejam sem precisarem reinventar a roda ou desenvolver novas funções e tecnologias internamente — esforços que podem ser dispendiosos e demorados e nem sempre garantem o sucesso.

Com o aumento no uso de pagamentos digitais, essas decisões ficam ainda mais urgentes — e é provável que as decisões tomadas hoje por bancos e instituições financeiras tenham reflexos no negócio por muitos anos.

Dada a dificuldade de obter recursos tecnológicos e de engenharia, a expectativa é que cada vez mais instituições financeiras busquem soluções de parceiros ou serviços gerenciados para preencher lacunas, conquistar a confiança de seus clientes, expandir o negócio e avançar mais rápido em um período de mudanças rápidas.

5. A IA traz oportunidades – e desafios – aos pagamentos

Após pouco mais de um ano do surgimento dos LLMs, uma das aplicações futuras mais interessantes da IA ​​generativa é no combate à fraude — mais especificamente, na oportunidade de analisar e aprender com uma quantidade inédita de dados se comparada aos modelos preditivos tradicionais. A próxima geração de IA é capaz de gerar novos insights a partir de insights de vários domínios, ajudando a treinar ferramentas de prevenção de fraude para tomadas de decisão mais informadas e precisas, diferenciando transações fraudulentas de compras legítimas.

A IA generativa também transformará a forma como muitos trabalham, melhorando os produtos, a estrutura de dados, os modelos, as operações e a infraestrutura. Na Visa, já se vê um ganho de 30% na produtividade líquida de codificação à medida que tarefas demoradas ou repetitivas (por exemplo, geração de códigos boilerplate) são realizadas com eficiência por ferramentas baseadas em IA generativa, deixando os engenheiros livres para criar códigos de alto valor que resultam em produtos que se diferenciam no mercado.

Mas a tecnologia também traz novos desafios aos pagamentos. As ferramentas de IA generativa vão ajudar os fraudadores na aplicação de golpes de phishing mais realistas — os consumidores terão mais dificuldade para identificá-los, pois não verão os erros de ortografia e gramática característicos desses golpes. Tudo isso cria mais desafios para as empresas e os clientes, que terão de se adaptar a um cenário de ameaças em evolução.

6. As viagens retornam com força total

Passado o pior momento da pandemia, as viagens estão de volta e devem continuar em alta nos próximos meses. O motivo dessa alta? A necessidade de relaxar e curtir férias sem estresse depois de anos aguentando os transtornos — na falta de uma palavra melhor — trazidos pela covid.

Um estudo global de intenções de viagem realizado pela Visa, intitulado Global Travel Intentions Study 2023, mostrou que mais de 70% dos viajantes estão cientes do aumento do custo das férias. Ainda assim, a maioria não se intimida e só 4% planejam cortar algo em seus planos de viagem. Mundialmente, os turistas se preparam para fazer duas viagens de lazer em média nos próximos 12 meses. Essa média é ainda mais alta entre os viajantes de alto poder aquisitivo.

Mas nem tudo relacionado a viagens foge dos costumes adquiridos nos tempos da pandemia. As pessoas continuam dando preferência à flexibilidade na organização das viagens. Além disso, segurança e limpeza são dois elementos prioritários e determinantes na escolha da hospedagem.

De modo geral, os viajantes têm optado por experiências de pagamento seguras, digitais e sem contato e não recorrem a elas apenas para comprar itens de menor valor. Embora os viajantes tenham interesse ​​em fazer escolhas sustentáveis ao viajar, muitos ainda têm dificuldade para encontrar informações relacionadas a viagens sustentáveis. Entre as soluções que podem ajudar a eliminar essa lacuna estão a parceria da Visa com a Ecolytiq, que possibilita que os consumidores vejam as emissões de carbono estimadas com base em suas transações, e a Travalyst, iniciativa global de viagens sustentáveis ​​que apresenta informações de sustentabilidade mais consistentes e visíveis aos consumidores — começando com hospedagem e a viagem aérea.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

Newsletter

Receba com exclusividade nossos conteúdos e o e-book sobre segurança na internet.