Polybius: o jogo de fliperama mais obscuro da internet Polybius: o jogo de fliperama mais obscuro da internet

Por volta de 1981, um novo arcade chegou às lojas de fliperama dos subúrbios de Portland, Oregon (EUA). O jogo, chamado de Polybius, logo despertou a atenção da garotada local que não via a hora de gastar suas contadas moedinhas com a novidade.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

Quando iniciado, o jogo exibia um turbilhão hexagonal girando no meio da tela, cheio de cores. O movimento criava diversas formas com imagens vetoriais que saiam do centro até as bordas da tela, num efeito hipnotizante. O objetivo do jogo era usar uma navezinha para destruir a forma no centro. Tudo isso ao som de barulhos futuristas sem padrão.

Não demorou para o jogo virar uma grande febre nos arcades da cidade. A garotada fazia fila para jogar e assistir às partidas. Ninguém queria mais saber dos outros títulos do fliperama e horas e horas eram dedicadas à novidade misteriosa.

Mas, logo, o vicio dos garotos foi substituído por casos misteriosos de amnésia. Depois de jogar, muitos deles não lembravam do próprio nome ou de onde moravam. Mais tarde, começaram a surgir casos de enxaquecas, insônia e pesadelos, fato que se desenrolou para desmaios, ataques epiléticos e alucinações. Já outros, simplesmente criaram aversão a qualquer tipo de jogo eletrônico.

Nesse meio tempo, os donos dos lojas comentavam que, periodicamente, homens vestidos de preto vinham coletar informações armazenadas nas máquinas. E, do mesmo jeito que vieram, os jogos foram retirados dias depois, após um garoto de 13 anos sofrer um ataque enquanto jogava. Depois disso, o Polybius nunca mais foi visto.

Polybius: a conspiração

A teoria mais famosa sobre o Polybius é que ele fazia parte de um projeto militar do governo norte-americano. Acreditava-se que a intenção era usar a máquina como um método de controle de comportamento, para acabar com o fascínio das crianças pelos jogos de videogame.

Há quem afirme veementemente que está é uma história real, e que o projeto foi deixado de lado por conta dos efeitos colaterais desastrosos. Há quem diga que se trata apenas de um boato da internet, baseado em jogos, filmes e outros lendas. Já outros confiam na existência do arcade, mas não da maneira como ele é descrito na lenda.

Fanatismo

O fato é que a conspiração (e o fanatismo) envolta do Polybius ficou tão grande que criaram um site com o nome de Sinneslöschen – suposta produtora do jogo — no qual é possível baixar uma versão do game baseada no original. Na página, a empresa fictícia diz que depois de trabalhar por muitos com um contrato militar, eles decidiram retornar ao setor privado.

O endereço também afirma que a Sinneslöschen, agora, trabalha com tecnologia educacional (para estimular o prazer de estudar nas crianças) e em uma linha de softwares de relaxamento e meditação para ajudar pessoas a parar de fumar, dormir melhor e se sentir mais confiante. Para fechar, no maior estilo anos 1990, a página termina com a frase “Garantimos que você vai gostar de nós” e encaminha o usuário para um link de download do jogo, que você pode baixar aqui.

Sendo a teoria da conspiração plausível ou não, jogar a versão digital e assistir a vídeos do game requer cautela de verdade. Isso porque ele contém imagens muito coloridas, movimentos hipnóticos e cores vibrantes que realmente podem causam mal-estar, dores de cabeça e outros problemas de origem neurológica em pessoas pré-dispostas.

Leia mais: 
UVB-76: a rádio russa fantasma que emite mensagens misteriosas
Conheça os três enigmas mais difíceis e desafiadores da internet

Granny: o jogo de terror para smartphones que é febre no YouTube

Confira mais lendas das internet como o Polybius na galeria a seguir:

 
 
<
>

 

Menu