Tags

Dicas

Booking.com compartilha destinos polares onde o sol não nasce no inverno

Créditos: Divulgação / Booking.com
23 fevereiro, 2024
Da Redação, com assessoria

No inverno, as regiões polares mais setentrionais do mundo proporcionam um cenário único para uma aventura sub-zero, perfeito para os caçadores da aurora boreal, amantes da natureza e entusiastas de atividades ao ar livre. Durante a “noite polar”, um fenômeno que ocorre quando o sol não sobe acima do horizonte no inverno, os dias se caracterizam por um crepúsculo perpétuo.

Considerando que, para mais da metade (58%) dos viajantes brasileiros que querem se concentrar no sono nas férias em 2024 não há melhor oportunidade do que na escuridão polar, a Booking.com compartilha sete destinos onde os viajantes podem desfrutar de acomodações aconchegantes como ponto de partida para descobrir a natureza ao redor. Confira!

Quer saber tudo sobre Universo Sugar? Clique aqui e leia o e-book O Guia dos Sugar Daddy & Sugar Babies

1. Longyearbyen, Svalbard, Noruega

A meio caminho entre a Noruega continental e o Polo Norte, o remoto arquipélago de Svalbard é uma terra de clima extremo, geleiras e vastos campos de gelo. Sua principal cidade é Longyearbyen, o assentamento mais setentrional do mundo, e para chegar lá é preciso pegar um voo para o Aeroporto de Svalbard.

Nesse destino, porta de entrada para uma das últimas grandes regiões selvagens do mundo e onde os ursos polares superam em número os habitantes, é possível vivenciar a “noite polar” de meados de novembro até o final de janeiro. Essa época do ano proporciona excelentes oportunidades de testemunhar a auroral boreal, além de oferecer experiências como safáris de snowmobile, cruzeiros por fiordes e exploração de cavernas de gelo. Na cidade, o viajante pode visitar o Museu de Svalbard, um espaço de exposições que exibe artefatos e informações sobre a natureza local, ou caminhar pela Montanha Plateau, com sua paisagem em forma de lua, para admirar a melhor vista de Longyearbyen.

Onde se hospedar: o Svalbard Hotell | Polfareren é a solução para quem procura um refúgio acolhedor e confortável. Localizado no centro de Longyearbyen, oferece desde uma refinada culinária nórdica, elaborada com ingredientes sazonais, até cerveja artesanal da cervejaria Svalbard, além de uma variedade de passeios e atividades liderados por moradores. O hotel, com selo Viagem Sustentável da Booking.com, adota uma política de não permitir calçados, com base em uma antiga tradição local.

2. Kiruna, Suécia

A cidade mais ao norte da Suécia abriga a cultura indígena sámi, um centro espacial e a maior mina subterrânea de minério de ferro do mundo. No inverno é quando a magia acontece e a região se transforma em um paraíso branco, com sua paisagem remota coberta de neve e banhada pelas luzes da aurora boreal. O viajante pode participar de uma variedade de atividades de aventura, que vão desde passeios de trenó até caminhadas na neve, nas quais poderá conhecer antigas florestas, lagos e montanhas.

Como essa região da Suécia dispõe da maior concentração de hospedagens da região, é possível dormir em lugares como cabanas aconchegantes ou até o primeiro hotel de gelo do mundo. Para descobrir a cidade com um guia local, é possível reservar um passeio a pé privativo ideal para famílias em Kiruna, realizado em um ritmo fácil e que inclui o melhor mirante da montanha mais alta da Suécia, a Kebnekaise.

Onde se hospedar: o Máttaráhkká Northern Light Lodge é uma pequena acomodação de administração familiar que oferece uma das melhores experiências relacionadas à aurora boreal da Lapônia e fica a uma curta viagem de carro de Kiruna. Durante o dia, o hóspede pode aproveitar os equipamentos de cortesia para fazer esqui cross-country e caminhadas com raquetes de neve. À noite, uma boa ideia é se aconchegar ao lado da lareira ou relaxar na sauna ou na banheira de hidromassagem. Os quartos têm vista para a montanha, com decoração inspirada na arte tradicional sámi. Já o chalé conta com vista para os picos cobertos de neve – e com a possibilidade de avistar alguns alces.

3. Ilulissat, Groenlândia

A Groenlândia, dentro do Reino da Dinamarca, é a maior ilha do mundo e um território de extremos, com sua vasta região selvagem coberta de gelo, contrastando com seu povo que vive em harmonia com ela – os inuítes, povos indígenas do Ártico, conhecidos por sua hospitalidade. A calota de gelo no centro da ilha, juntamente com os icebergs dispersos ao seu redor, torna esse destino único em relação a qualquer outro no mundo.

Uma dica é ir para a cidade costeira de Ilulissat, de barco ou de avião, saindo da Islândia. O local é famoso pelo Icefjord, declarado Patrimônio Mundial da UNESCO, e por seus icebergs, que são maiores até mesmo do que grandes navios. É possível fazer um cruzeiro, participar de passeios de snowmobile nas colinas ao redor da cidade ou embarcar em excursões durante a noite polar para os locais mais escuros, em busca da oportunidade de testemunhar a aurora boreal.

Onde se hospedar: no Hotel Icefiord, ao norte do Círculo Polar Ártico e a uma curta caminhada de Ilulissat, todos os quartos contam com vista da Baía de Disko e seus icebergs – e o hóspede ainda poderá avistar baleias pela sua janela. É possível fazer um upgrade para uma acomodação com grandes claraboias, que proporcionam uma vista privativa da aurora boreal diretamente da cama. Esse hotel participante do programa Viagens Sustentáveis da Booking.com serve pratos da culinária groenlandesa de origem local, usa 100% de energia renovável e oferece uma grande variedade de atividades organizadas por guias locais.

4. Iqaluit, Canadá

Localizada na Ilha de Baffin, no extremo norte da Baía de Frobisher, a capital do território de Nunavut é conhecida por suas montanhas cobertas de gelo, clima de tundra e cultura inuíte. A cidade colorida de Iqaluit abriga a Catedral de São Judas, com sua arquitetura em forma de iglu, além de esculturas e uma variedade de restaurantes e acomodações onde os viajantes podem se aconchegar no frio.

Com sua localização ao redor da baía e áreas verdes próximas, o turista poderá avistar baleias, renas e raposas-do-ártico, bem como experimentar uma aventura de trenó. Também é possível ter a experiência única de presenciar a aurora boreal, com melhor visibilidade de outubro a abril, especialmente nas proximidades do Frobisher Inn. Com 80% da população sendo inuíte, a língua Inuktitut é amplamente falada nas ruas e exibida nas placas. Vale visitar o Museu Nunatta Sunakkutaangit, na cidade, que abriga uma coleção de artefatos e peças de arte dos inuítes para aprender mais sobre sua cultura.

Onde se hospedar: o Aqsarniit Hotel and Conference Centre, de origem inuíte, está a uma curta caminhada do centro da cidade. Essa acomodação com selo Viagem Sustentável da Booking.com oferece aos artistas locais uma plataforma para mostrar seus talentos e uma grande variedade de passeios e atividades organizadas por guias locais, como snowmobile. Com um ambiente aconchegante, incluindo um restaurante que serve pratos locais, o hotel tem excelente localização perto do Parque Territorial Sylvia Grinnell.

5. Hokkaido, Japão

A ilha de Hokkaido, província mais ao norte do Japão, se transforma em um paraíso gelado entre dezembro e fevereiro, quando os ventos frios da Sibéria varrem o Mar do Japão, gerando grandes quantidades de neve. Conhecida por suas extensas áreas selvagens, florestas e fontes termais naturais, Hokkaido pode não ser oficialmente classificada como um destino polar, mas o clima, a natureza e o estilo de vida são semelhantes.

Os amantes de esqui podem visitar o resort de montanha de Niseko, que oferece 1.214 hectares de pistas bem preparadas e é o cenário perfeito para iniciantes, especialistas ou qualquer pessoa que queira se aventurar. Além disso, fazer uma caminhada com raquetes de neve é uma excelente maneira de descobrir Niseko, passando por florestas nevadas até chegar ao congelado Lago Half Moon. Outra alternativa é aproveitar uma das fontes geotérmicas para se aquecer.

Onde se hospedar: o 5 estrelas Setsu Niseko tem excelente localização em Niseko, com vista para o Monte Yotei. Com alguns dos melhores restaurantes e comodidades de bem-estar da região, esse hotel é um destino por si só. Após um dia nas pistas de esqui, o hóspede pode saborear uma tigela de ramen quente ou sushi e, depois, desfrutar das piscinas termais privativas do hotel. Além de equipamentos de esqui para aluguel, essa acomodação participante do programa Viagens Sustentáveis da Booking.com oferece atividades organizadas por guias locais.

6. Nuorgam, Finlândia

Às margens da fronteira norueguesa, no extremo norte da Finlândia, o pequeno vilarejo de Nuorgam é uma base remota que proporciona aos viajantes uma autêntica experiência do Ártico. Localizada na região mais setentrional da Europa, a poucos passos do Oceano Ártico, o viajante pode vivenciar neve no inverno com atividades emocionantes, que vão desde passeios de snowmobile até caminhadas noturnas com raquetes de neve, safáris e pesca no gelo.

A vila abriga aproximadamente 200 habitantes, em sua maioria pertencentes ao povo sámi, a cultura mais antiga da Lapônia. Ao sul dessa aldeia, erguem-se as áridas colinas de Kaldoaivi, uma região selvagem ideal para quem quer esquiar ou caminhar, com lagos e trilhas, bem como avistamentos da aurora boreal. O destino também é excelente para observar a fauna local, como renas, lemingues noruegueses, lebres-da-montanha, alces e raposas.

Onde se hospedar: o Holiday Village Nuorgamin Lomakeskus, de administração familiar, está localizado em um bosque em Nuorgamin, excelente base para desbravar a natureza ártica. As cabanas rústicas têm fogões a lenha e terraços, e as opções de upgrade incluem saunas privativas e janelas panorâmicas com vista para o rio. Essa acomodação com selo Viagem Sustentável da Booking.com serve pratos orgânicos da Lapônia-Finlândia, cujos ingredientes não poderiam ser mais locais: salmão do Rio Tenojoki, nas proximidades, além de amoras silvestres e cogumelos selvagens colhidos das terras altas.

7. Fairbanks, Alasca

Ao sul do Círculo Polar Ártico está a cidade de Fairbanks, no estado do Alasca, que abriga 33 mil residentes e o maior assentamento em centenas de quilômetros. Está localizada diretamente abaixo da “Aurora Oval”, uma área em forma de anel sobre o extremo norte onde a atividade da aurora boreal se concentra.

Vale reservar uma observação da aurora boreal no Murphy Dome, que já foi uma estação da Força Aérea, a 880 metros acima do nível do mar, e hoje é um local privilegiado para testemunhar essas luzes no céu. Para se aquecer, o viajante pode desfrutar de um banho quente em um passeio para observar a aurora boreal e visitar o Chena Hot Springs partindo de Fairbanks, com uma seleção de piscinas de pedra minerais quentes. Ainda é possível degustar coquetéis servidos em taças de martíni esculpidas no gelo no Fairbanks Ice Museum.

Onde se hospedar: o A Taste of Alaska Lodge, de administração familiar, fica a uma curta viagem de carro do centro de Fairbanks e está situado em um terreno de 110 hectares, longe o suficiente das luzes da cidade para proporcionar visões da aurora boreal. Tudo isso pode ser apreciado com o conforto de uma cabana de observação no local. Os quartos apresentam decoração em estilo chalé de madeira, com varandas e colchas caseiras, enquanto as casas de campo isoladas possuem cozinha e decks espaçosos. O hóspede pode saborear um farto café da manhã americano, acompanhado de uma vista do Denali, o pico mais alto da América do Norte.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

Newsletter

Receba com exclusividade nossos conteúdos e o e-book sobre segurança na internet.