Tags

Corporativo

Aplicativos financeiros: como equilibrar segurança e usabilidade?

Créditos: DepositPhotos
19 fevereiro, 2024
Da Redação

*Por Wagner Martin // A digitalização de serviços e produtos é cada vez mais comum e, embora esteja em constante avanço, diferentes técnicas de prática de crimes surgem ao mesmo tempo.

De acordo com a EY, 72% dos Chief Risk Officers globais consideram a cibersegurança como o risco principal a ser observado neste ano. Dessa forma, a segurança digital é uma preocupação, especialmente quando se trata de aplicativos financeiros, como os usados para operações bancárias e transações financeiras.

Quer saber tudo sobre Universo Sugar? Clique aqui e leia o e-book O Guia dos Sugar Daddy & Sugar Babies

Essas plataformas lidam com informações sensíveis e transações de alto valor, tornando-as alvos frequentes de cibercriminosos. Por isso, hoje em dia, as instituições financeiras devem ter mecanismos de segurança que garantam que, mesmo que um cibercriminoso consiga acessar os dados de um usuário, isso não coloque em risco sua privacidade e nem o seu dinheiro.

Isso desafia o paradigma atual, onde muitas instituições, para evitar fraudes, implementam estratégias restritivas, impondo limites aos usuários na hora de operar, o que não resolve o problema.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

Um dos principais desafios é encontrar um equilíbrio entre segurança e usabilidade. Muitos aplicativos financeiros adotam ferramentais de segurança como autenticação por SMS. Contudo, a necessidade de inserir um número que chega por um SMS por fora do aplicativo pode ser incômoda para os usuários, além de deixá-los mais vulneráveis.

Além disso, o risco de engenharia social e erros humanos também está presente. Por exemplo, se um usuário não ativar o “modo rua” no seu aplicativo bancário – quando esta função estiver disponível –, ele pode estar vulnerável a um ataque de sequestro de PIX.

Da mesma forma, a recusa em receber notificações por e-mail ou a relutância em preencher informações adicionais podem criar brechas na segurança.

A solução para esse dilema está em adotar abordagens mais avançadas e menos intrusivas.

Uma dessas abordagens envolve o uso de autenticação biométrica, como a biometria facial 3D. Com essa tecnologia, os aplicativos podem autenticar os usuários de maneira segura e conveniente. A biometria facial 3D é altamente segura, pois envolve a verificação de características únicas do rosto do usuário, como padrões de expressão e características físicas.

Além disso, a geolocalização também desempenha um papel importante na segurança. Os aplicativos que usam essa tecnologia podem verificar se o usuário está em um local já esperado para a realização de determinadas transações. Se houver alguma discrepância, a operação pode ser bloqueada ou verificações adicionais podem ser exigidas.

As notificações push dentro do aplicativo também podem ser usadas para melhorar a segurança. Os aplicativos financeiros podem enviar notificações diretamente aos usuários, informando sobre atividades suspeitas ou confirmando transações. Isso permite que os usuários estejam cientes de qualquer atividade em suas contas em tempo real.

É importante ressaltar que a segurança não deve ser comprometida em nome da usabilidade. Pelo contrário, medidas mais avançadas, como a autenticação biométrica, podem oferecer um nível mais alto de segurança sem criar fricção em sua experiência.

Com a integração dessas soluções de cibersegurança, a experiência do usuário torna-se não apenas segura, mas também eficiente e descomplicada.

Imagine que você está em uma viagem e decide alugar um carro utilizando seu cartão de crédito. Nesse cenário, a geolocalização pode ser empregada para verificar se você está realmente em uma região diferente do habitual.

Caso a transação seja considerada não usual, um push notification é enviado ao seu aplicativo, solicitando sua validação. Além disso, para garantir ainda mais segurança, é possível estabelecer regras de negócio, como a validação biométrica para transações acima de um determinado valor, como acima de R$ 2 mil.

Esse processo de múltiplas camadas de segurança não apenas protege suas operações financeiras, mas também evita fricções desnecessárias. Em vez de simplesmente cancelar a transação ou bloquear o cartão, as soluções de cibersegurança agem de maneira inteligente, permitindo que você valide e autorize transações legítimas sem a necessidade de recorrer ao atendimento ao cliente.

Essa abordagem não só aumenta a segurança, mas também melhora significativamente a experiência do usuário.

Além disso, as notificações push desempenham um papel crucial ao informar os usuários sobre qualquer atividade suspeita em tempo real. Essa comunicação direta possibilita que os usuários estejam cientes de qualquer movimentação em suas contas, permitindo uma resposta rápida a possíveis ameaças. Em conjunto, essas medidas proporcionam uma defesa robusta contra tentativas de fraude, assegurando que suas transações sejam seguras, sem comprometer a praticidade e a agilidade no uso dos serviços financeiros.

Encontrar o equilíbrio entre segurança e usabilidade é fundamental para aplicativos financeiros. Abordagens inovadoras, como a biometria facial 3D, geolocalização e notificações em aplicativos, podem proporcionar uma experiência segura e conveniente para os usuários, eliminando a necessidade de medidas intrusivas e complexas de autenticação.

Com essas ferramentas, é possível oferecer segurança de alto nível com zero fricção, garantindo a proteção das informações e das transações dos usuários.

*Wagner Martin é VP de negócios da Veritran no Brasil

Newsletter

Receba com exclusividade nossos conteúdos e o e-book sobre segurança na internet.