Segurança digital: aplicativo que compara usuário a celebridade pode “custar caro” Segurança digital: aplicativo que compara usuário a celebridade pode “custar caro”

Segurança digital: aplicativo que compara usuário a celebridade pode “custar caro”

Dicas 23 de outubro de 2019 Da Redação, com assessoria

Com mais de 1 milhão de downloads em apenas uma semana na Play Store, o aplicativo fenômeno de popularidade Gradient – que mostra com qual celebridade você se parece –tem levantado desconfiança quanto à segurança de dados pessoais na internet.

Leia mais
Bê-a-bá do Twitter: dicas para quem está entrando na rede social
As 100 celebridades mais seguidas no Twitter
Poetweet: ferramenta transforma seus posts no Twitter em poema

Segundo técnica similar de outro aplicativo que viralizou na rede, o FaceApp – que envelhecia o rosto do usuário e foi tido como uma ameaça à privacidade dos internautas –, a nova brincadeira digital têm merecido a atenção de especialistas por se basear no chamado machine learning, com o envio das imagens a servidores.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

Os vários recursos de edição colocados à disposição do usuário (incluindo o “transformador em celebridade”) só são acessíveis por meio de uma assinatura mensal (que varia de R$ 16 ou R$ 78 por ano). Para atrair e aumentar as chances de converter o usuário, após o upload das fotos, ele é convidado a testar do serviço por alguns poucos dias, gratuitamente.

Segundo o doutor em Direito Digital pela Universidade de São Paulo, sócio do Bulgueroni Advogados, Marcelo Bulgueroni, além de não ficar totalmente clara a cobrança e cancelamento, o internauta precisa refletir sobre a sua disposição em trocar dados pessoais por uma brincadeira.

Ele explica que para realizar a transformação, o aplicativo “sobe” as imagens do usuário para um servidor. “A partir daí, é impossível ter controle sobre o tipo de uso que será feito com a informação compartilhada, o que acaba colocando o usuário em situação de vulnerabilidade”, diz o especialista.

Entre os tipos de riscos que podem ocorrer, o especialista destaca o uso de reconhecimento facial, compartilhamento de bases de dados e até situações que envolvam montagens com finalidades obscuras.

Bulgueroni destaca, ainda, que não há informação assertiva sobre o fabricante, seu paradeiro e nem histórico de outros aplicativos fabricados, o que também deveria ser alvo de atenção.

Confira os 100 melhores romances da história do cinema

 
 
<
>
Menu