Retrospectiva: 360 mil arquivos virtuais maliciosos foram detectados por dia em 2017 Retrospectiva: 360 mil arquivos virtuais maliciosos foram detectados por dia em 2017

O número de novos arquivos maliciosos processados pelas tecnologias de detecção internas do laboratório da Kaspersky Lab chegou a 360 mil por dia em 2017, 11.5% mais que no ano anterior. Após um leve declínio em 2015, a quantidade de arquivos maliciosos detectados por dia aumentou pelo segundo ano consecutivo.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

O número de arquivos maliciosos detectados diariamente reflete a atividade média dos criminosos virtuais envolvidos na criação e distribuição de malware. Esse valor foi calculado pela primeira vez em 2011 e, naquela época, foi igual a 70 mil. Desde então, aumentou cinco vezes e continua crescendo.

A maioria dos arquivos identificados como perigosos caem na categoria de malware (78%). No entanto, os vírus – cuja prevalência caiu significativamente 5-7 anos atrás, por conta do seu desenvolvimento complexo e da baixa eficiência – ainda constituem 14% das detecções diárias.

Os arquivos restantes são publicidades, que não são consideradas maliciosas por padrão, mas em muitos casos podem causar exposição de informações privadas e outros riscos. Abaixo, veja mais dados sobre as ameaças online ao longo de 2017:

Para te ajudar a ficar protegido, a Kaspersky Lab recomenda:

– Prestar muita atenção e não abrir arquivos ou anexos suspeitos recebidos de fontes desconhecidas;
– Não baixar e instalar aplicativos de fontes não confiáveis;
– Não clicar em links recebidos de fontes desconhecidas e anúncios online suspeitos;
– Criar senhas fortes e não esquecer de alterá-las regularmente;
– Sempre instalar as atualizações disponíveis. Os grandes surtos de ransomware, como o WannaCry e o ExPetr, mostraram que os atrasos para instalar correções podem durar meses;
– Ignorar mensagens pedindo para desativar sistemas de segurança para software do Office ou software antivírus;
– Usar uma solução de segurança adequada ao tipo de sistema e de dispositivos;

Leia mais: 
Vai fazer compras de Natal na internet? Confira dicas de segurança
Golpe do WhatsApp: veja 3 dicas básicas para baixar aplicativos com mais segurança na Google Play

Menu