Mês de prevenção ao suicídio reforça a importância de falar sobre o assunto na internet Mês de prevenção ao suicídio reforça a importância de falar sobre o assunto na internet

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), 32 pessoas se suicidam por dia no Brasil, número que levou o País à oitava posição no ranking de suicídios do planeta. Mas apesar do dado expressivo, o grande problema ainda está relacionado ao silêncio da sociedade em torno do tema. Desde 2014, setembro é o mês dedicado à conscientização sobre a importância de se falar sobre o assunto.

Leia mais: 
Revenge Porn: advogada explica o que você pode fazer se for vítima dessa violência na web
Conheça plataformas que dão suporte à saúde mental e oferecem apoio emocional

Esta foi uma das razões que fez a agência de publicidade nova/sb, por meio do Comunica Que Muda (CQM) — que tem aprofundado a discussão sobre temas polêmicos e de grande impacto — ir a fundo no assunto a partir do que se fala nas redes sociais. Para isso, foram capturadas 1.230.197 menções sobre suicídio entre os meses de abril e maio de 2017 no Facebook, Instagram, Twitter e YouTube.

Durante o período, os destaques foram os expressivos números de comentários sobre o crime virtual da Baleia Azul e a série 13 Reasons Why (Netflix), o que fez o tema alcançar seu ápice de buscas no Google dos últimos cinco anos. Acompanhe o dossiê completo aqui.

No geral, o jogo Baleia Azul estava na maior parte das menções, com 59,9%. A série 13 Reasons Why ficou com 26,6%. Os comentários sobre depressão somaram 7,7%, enquanto os intolerantes em relação ao suicídio ficaram com 4,1%.

O estado que concentrou a maior parte das menções nos dois meses da pesquisa foi o Rio de Janeiro, com 27,5% do total. Na sequência, São Paulo, com 17,9%, e Minas Gerais, com 9,9%. Também tiveram destaque o Pará (5,6%), o Rio Grande do Sul (5,5%) e Santa Catarina (4,8%).

“As redes sociais surgiram há pouco tempo, mas entraram no cenário social com um forte chute na porta. Em poucos anos, tomaram conta de muitas horas gastas na web”, destaca a coordenadora-geral do Comunica Que Muda, Bia Pereira. Contudo, segundo ela, apesar de as pessoas estarem mais conectadas, a abordagem sobre suicídio na internet ainda é muito superficial.

A pesquisa mostrou que enquanto de um lado menos de 30% dos internautas demonstraram alguma conscientização sobre o assunto, do outro 20% do conteúdo é preconceituoso. Essa prática reforça o tabu, incentiva o comportamento autodestrutivo e impedem o socorro para quem passa por esse problema.

Chega de silêncio! 

No Brasil, os idosos apresentam as maiores taxas, com oito suicídios para cada 100 mil habitantes, segundo dados do Mapa da Violência. A causa mais comum, com aproximadamente 70% dos suicídios nessa fase, é a depressão, muitas vezes não diagnosticada ou tratada inadequadamente. Psicoses e abuso de drogas, principalmente o álcool, também estão entre os motivos mais frequentes.

“Entretanto, é entre os jovens que as taxas apresentaram o maior crescimento, de 2002 a 2012. Ninguém é culpado por um suicídio. Ele não é previsível, mas pode ser prevenido. Não falar não está ajudando. Não tratar um problema não faz com que ele desapareça, pelo contrário. Por isso, precisamos derrubar esse tabu”, destaca Bia Pereira, da nova/sb.

Se você tem alguma dúvida sobre tecnologia, escreva para 33giga@33giga.com.br e suas questões podem ser respondidas

Menu