No futuro, robôs irão fazer o trabalho dos CEOs nas empresas No futuro, robôs irão fazer o trabalho dos CEOs nas empresas

No futuro, robôs irão fazer o trabalho dos CEOs nas empresas

Notícias 22 de março de 2017 Da Redação, com assessoria

Automação é uma ideia que vive inspirando obras de ficção científica. Mas o uso de robôs e algoritmos para aprimorar a produção, logística e outros setores vitais de empresas está prestes a abrir uma nova era. Pelo menos é o que mostra um estudo da McKinsey, empresa de consultoria empresarial norte-americana. Segundo o levantamento, cerca de metade das atividades hoje realizadas por humanos será automatizada até 2055 – o equivalente a US$ 16 trilhões em salários.

Leia mais
Zenbo, o robozinho da Asus, promete te ajudar nas tarefas de casa
Conheça o BattleBots, o campeonato mundial de luta entre robôs
Conheça 10 tecnologias que não são apenas invenções de Black Mirror

Mas a relação entre homens e máquinas não será de conflito. Pelo contrário: menos de 5% das atividades humanas podem ser totalmente automatizadas, segundo a McKinsey. Cerca de 60% de todas as ocupações têm ao menos 30% de atividades que podem ser feitas por máquinas. Ou seja, mais profissões serão modificadas do que extintas.

O uso de robôs ainda melhora a performance dos negócios ao reduzir erros e elevar a produtividade, atingindo patamares que a capacidade humana não seria capaz de alcançar. Para se ter uma ideia, o estudo estima que a automação tenha potencial para elevar o PIB global entre 0,8% e 1,4% anualmente.

Os efeitos da automação também não ficarão restritos ao chão de fábrica. Segundo a McKinsey, até os CEOs terão seu trabalho afetado: a análise de relatórios e dados para tomar decisões, por exemplo, pode ser realizada por algoritmos. Ao todo, 1/4 do trabalho dos CEOs poderá ser automatizado.

O cenário brasileiro segue a tendência. A McKinsey estima que o potencial de automação no País seja de 50%, o que afeta 53 milhões de empregados. Os setores industrial e varejista são os que têm o maior número de processos que poderão ser modificados pelo uso de softwares ou máquinas inteligentes – o que atingiria mais de 20 milhões de postos de trabalho.

No Brasil e no restante do mundo, garantir que a convivência entre homens e máquinas seja de fato pacífica exigirá mudanças no ensino. É preciso repensar o currículo para educar pessoas com as habilidades que realmente serão necessárias no futuro, como programação, robótica e serviços para uma população cada vez mais velha.

Se você tem alguma dúvida sobre tecnologia, escreva para 33giga@33giga.com.br e suas questões podem ser respondidas

Menu