Photo by Chris Ried on Unsplash
Falha no WhatsApp: saiba como se proteger de hackers Falha no WhatsApp: saiba como se proteger de hackers

O WhatsApp relatou no início da semana uma vulnerabilidade na plataforma. A falha favorece que hackers instalem um software para espionar os usuários e acessar seus dados. Para proteger-se do roubo de informações, os internautas devem atualizar o aplicativo e também o sistema operacional dos smartphones, tanto de Android quanto de iOS. Veja a seguir como proteger melhor seu telefone.

Leia mais
Não quer que leiam suas mensagens no WhatsApp? Recurso bloqueia app com biometria
App permite ficar online, digitar e ler mensagens no WhatsApp sem ser visto
WhatsApp lança ferramenta de combate a fake news

Passos para Atualizar o WhatsApp

Android – Vá até a PlayStore, no Menu selecione Meus apps e jogos. Toque em Atualizar ao lado do WhatsApp Messenger. Ou quando abrir a PlayStore, buscar pelo aplicativo e atualizá-lo.

Iphone – Abra a AppStore, na aba de Atualizações selecione o botão para atualizar o WhatsApp Messenger.

Outras maneiras para se proteger

Além de atualizar o WhatsApp, para quem deseja mais segurança, talvez uma boa ideia seja recorrer apps de chat mais seguros. Um deles é o Telegram (Android/ iOS). O aplicativo tem sistemas de proteção avançadas, criptografia nativa e ainda oferece recursos de ponta aos usuários, como chat anônimo, destruição de mensagens após o envio e pode impedir que o contato tire screenshots das conversas. Para saber mais sobre o programinha, clique aqui.

Outros bons aliados na segurança do smartphone de forma geral (e, em particular, do WhatsApp) são os antivírus e antispyware. Há várias opções gratuitas nas lojinhas de aplicativos, mas as preferidas da equipe do 33Giga são os da Karspersky (Android e iOS) e da AVG (Android e iOS).

Entenda a treta

O WhatsApp estava mexendo em problemas do sistema quando detectou a vulnerabilidade, mas não descobriu por quanto tempo essa operação foi realizada. Durante a espionagem, os hackers ligavam para o usuário que queriam investigar os dados. Mesmo se eles não atendessem, o software era instalado. Em algumas ocasiões, a chamada saía do histórico e, assim, os users não sabiam do ocorrido.

Ainda não se tem certeza de quem realizou o ataque. Entretanto, o spyware instalado nos telefones é parecido com o da NSO Group, uma empresa de cibersegurança israelense provedora de governos e agentes de segurança.

Em entrevista ao G1, o porta-voz da NSO disse que o sistema é utilizado por agências estatais e governos para combater criminosos e terroristas. Ele completa afirmando que “a empresa não poderia e nem usaria sua tecnologia para atacar qualquer pessoa ou organização”.

Após saber dos ataques, a empresa proprietária do aplicativo avisou organizações de direitos humanos, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos e empresas de segurança cibernética. A probabilidade da NSO ter realizado as atividades de espionagem é alta, já que algumas das instituições vítimas dos hackers defendem os direitos humanos.

Aliás, o software da NSO Group já foi utilizado para espionar entidades desse gênero. E mais: a organização trabalha de forma misteriosa. Durante muito tempo, a empresa criou spywares para seus clientes, que ainda os usam para espionar dispositivos e conseguir informações.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

Após atualizar seu WhatsApp e se manter seguro contra os ataques, aproveite para usar esses memes com seus amigos:

 
 
<
>
Menu