Estante Virtual traz sebos de todo o Brasil à internet Estante Virtual traz sebos de todo o Brasil à internet

Livro de cabeceira, bolso,  estante, presente… A leitura é um hábito muito comum mesmo fora do ambiente escolar e acadêmico. Ainda bastante popular, sebos têm atraído cada vez mais os olhares dos leitores assíduos devido a sua grande quantidade de livros e os preços abaixo do mercado.

Para dar ainda mais moral para esses vendedores, nasceu o site Estante Virtual. Fundado em 2005 por André Garcia, o objetivo da página é reunir livros de sebos de todo o país para que eles possam vender em um só lugar. Hoje, esse market place literário já conta com mais de 1.350 livreiros cadastrados, milhões de títulos disponíveis e prova que sebo não é sinônimo de livro velho e empoeirado.

Crédito: divulgação
Marina Thome_Gerente de Comunicação Estante Virtual
Marina Thomé, gerente de comunicação do site Estante Virtual

Para conhecer um pouco mais da história e proposta da Estante Virtual, o 33Giga conversou com a Marina Thomé, coordenadora de comunicação do site. Confira a entrevista.

33Giga: O que é a Estante Virtual?

Marina Thomé: O objetivo inicial do André, nosso fundador, foi reunir vários sebos do Brasil todo em um só lugar. É justamente assim que funciona o site Estante Virtual, como um market place que agrupa livreiros nacionais. Na época que surgiu a ideia, ele aprendeu programação para conseguir montar o site e, como já entendia de marketing, saiu às ruas para convidar os donos de sebo para fazer parte do projeto. No começo, como tudo o que é novo, houve uma certa resistência, mas hoje a demanda é tão grande que temos que adicionar os vendedores aos poucos. Atualmente o site conta com 1.350 livros e um catálogo bastante diversificado com 15 milhões de livros.

33Giga: A Estante Virtual já completou dez anos de história. Quais foram os principais desafios durante esse tempo?

Marina: Eu não diria desafios, mas sim adaptações. A primeira envolve tecnologia e ainda estamos passando por ela. Hoje, o site está migrando de plataforma e recatalogando os título devido ao tamanho do nosso atual catálogo de livros. O segundo é o atendimento. Para a Estante Virtual, é um trabalho constante fazer a moderação entre o consumidor e os livreiros, afinal, gerenciamos essa relação no Brasil inteiro. Também investimos em suporte e consultoria para os vendedores, para que eles consigam se manter no site.

33Giga: Como é a parceria entre os donos de sebos e a Estante Virtual?

Marina: O site funciona como o canal entre cliente e vendedor, a embalagem e envio dos livros é todo feito pelos donos dos sebos. Como a Estante é um serviço nacional que conecta todo o tipo de livreiro ao país todo, há muita procura. Só em fevereiro, tivemos 130 novos sebos iniciando as vendas no site. Inclusive temos histórias de pessoas que estavam vendendo tão bem no site que fecharam suas lojas de rua e só ficaram na internet, mas o contrário também é comum, gente que venderam tanto no online que resolveram abrir uma loja física. Nós temos um catálogo gigantesco, muito maior do que livrarias, e proporcionamos a possibilidade que qualquer livro estar acessível na internet.

33Giga: Por que vocês decidiram apostar também na venda de livros novos?

Marina: Essa é uma decisão mais recente do Estante Virtual e tem o objetivo de ampliar nossa oferta de livros. Fazemos acompanhamento com livreiros para incentivar a catalogação de títulos ainda não usados. Quisemos abraçar esse tipo de livro para mudar aquela famosa imagem de que em sebo só se encontra coisas velhas.

33Giga: Qual é o perfil dos visitantes do site?

Marina: 35% do nosso público tem idade entre 25 e 34 anos. Quanto ao sexo, é bem misturado, não tem predominância. A maioria das pessoas são dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, mas há tivemos pedidos para que os livreiros enviassem livros para fora do Brasil, não é um acontecimento incomum no site.

33Giga: Como está o mercado de livros online e situação para o site?

Marina: Em 2015, o varejo teve uma queda histórica, em todos os setores. Apesar da crise, a Estante Virtual cresceu 33% no ano passado. Os livros vendem muito na internet devido às oportunidades. Nós vendemos livros usados, o que garante um preço muito mais acessível. O público universitário, que precisa comprar livros sempre, está muito presente também. Vimos também uma mudança nos hábitos de leitura do público juvenil que está nos ajudando a manter esse crescimento.

33Giga: Quando o e-commerce nasceu, muita gente acreditava que a ideia não iria vingar, pois o consumidor não abriria mão de ver e pegar o produto nas mãos antes de comprar. Acabou que hoje todo mundo compra livros pela internet. Por que você acredita que esse comportamento foi possível?

Marina: Um dos principais motivos da compra de um livro é a recomendação, seja de um amigo, parente ou alguém que trabalhe com isso. Na livraria física sempre tem aquele papo sobre o título com o livreiro e nós adaptamos essa experiência para o site, pois acreditamos tanto na recomendação sistemática quanto pessoal. Além, claro, de garantir confiabilidade e seguranças na compras.

33Giga: É muito comum ouvir pessoas dizendo que brasileiro não tem o hábito de ler. Você concorda?

Marina: Realmente existe esse mito de que brasileiro não lê. Em contrapartida, a gente já vê um crescimento muito grande no número de leitores jovens na Estante Virtual. As vendas dos livros juvenis aumentaram bastante no site. Mas é verdade que as pessoas estão cada vez mais conectadas, presentes nas redes sociais e dedicando menos tempo à leitura. O preço também influencia muito, é difícil ler mais de um livro por mês se cada exemplar custa R$ 40, R$ 60. Por isso a Estante Virtual se esforça em oferecer valores mais acessíveis e fazer com que todo tipo de pessoa possa ler ou ler ainda mais.

33Giga: Qual a preocupação da Estante Virtual com a democratização da leitura?

Marina: Queremos pregar a bibliodiversidade. A livraria convencional tem sempre basicamente o mesmo catálogo, ou você lê aquilo ou fica sem ler. Nós procuramos atualizar o site com frequência e incentivar os vendedores a sempre trazerem novos títulos. Apostamos também nas campanhas de precificação para garantir que mais pessoas consigam comprar os livros. Queremos conectar o Brasil por meio da leitura, por isso damos espaço para livreiros e leitores de todo o país.

Menu