Tags

Aleatório.tech

Entrevista: diretor brasileiro conta a experiência de criar o primeiro filme do mundo que une 3D e realidade virtual

Créditos: Divulgação

O primeiro filme de ficção em realidade virtual em 3D do mundo já está em andamento. Ele está sendo dirigido por um cineasta brasileiro: Daniel Bydlowski roda a história em Los Angeles (EUA).

Batizada de NanoEden, a obra terá cerca de 65 minutos e contará a história de Peter e Harriet, um casal que tem suas memórias baixadas para um computador após sua morte. A expectativa é que o filme seja lançado no segundo semestre de 2017. Para saber mais sobre a produção e o futuro do cinema, o 33Giga conversou com Bydlowski. A seguir, confira o bate-papo na íntegra.

Crédito: Divulgação
Daniel Bydlowski no set de NanoEden

33Giga: O NanoEden pretende trazer um lado mais obscuro da tecnologia, como Black Mirror?
Daniel Bydlowski: Sim, o filme fala dos problemas da dependência e da fé humana na tecnologia. A reviravolta está no fato do casal começar a ter muitas de suas marcantes lembranças apagadas para que eles sejam felizes. É um processo que eles tentarão parar em vão.

33Giga: Onde os espectadores poderão assistir ao NanoEden?
DB: O filme poderá ser baixado gratuitamente e assistido em celulares. Também estamos estudando a possibilidade de distribuirmos em cinema tradicional.

33Giga: Como ele utiliza a realidade virtual, só poderá assistir ao filme quem tiver um óculos VR?
DB: Não. O NanoEden poderá ser assistido sem o uso de óculos VR. Isso porque o público poderá baixar o filme em seu próprio smartphone. Mas vale destacar que os óculos criam a efetiva imersão na realidade virtual.

33Giga: Quais foram as dificuldades na concepção do NanoEden?
DB: A parte mais difícil para desenvolver um longa de realidade virtual é que não existem padrões de produção. Quando um filme tradicional é desenvolvido, há pelo menos cem anos de pesquisa cinematográfica no qual certos modos de produção foram padronizados para que seja mais fácil replicá-los. Com a realidade virtual, muito ainda precisa ser inventado e descoberto.

Leia mais
Jovem espiona cotidiano de homem que furtou seu celular e transforma em minidocumentário
Filme de terror transmitido via Periscope sai do ar após assustar demais os espectadores
Conheça 10 tecnologias que não são apenas invenções de Black Mirror

33Giga: A opinião sobre o cinema 3D divide opiniões. Existem os que amam e os que não curtem. Como você acredita que será a recepção do 3D na realidade virtual?
DB: Acredito que o 3D na realidade virtual será muito mais bem aceito do que no cinema tradicional. O cinema tradicional funciona como uma janela para outros lugares e o 3D, que faz com que objetos venham para perto do espectador, não tem um aspecto natural. Já a realidade virtual não é uma janela. É uma nova realidade para onde o espectador é transportado. O 3D, então, se torna um desenvolvimento natural que faz com que a realidade virtual chegue mais perto da realidade.

33Giga: Em uma entrevista recente, você disse que “o número de pessoas que vão ao cinema está se reduzindo dramaticamente e muitos estão contentes em ver filmes nas pequenas telas do computador e do celular”. Você acredita que a Netflix e os smartphones podem culminar na morte do cinema?
DB: Sempre que uma nova mídia é inventada, há aqueles que acreditem que as tradicionais serão afetadas de modo radical. Porém, não é o que ocorre na história. Quando a televisão foi inventada diziam que acabaria com o cinema. Mas ele continua aí. Porém, tanto a Netflix como o smartphone estão efetivamente entretendo um público que no passado ia ao cinema para tal diversão.

33Giga: O que os estúdios deveriam fazer para driblar essa falta de interesse pelo cinema?
DB: Para tentar ganhar da competição, os estúdios estão apostando em remakes e outros filmes que seguem certa fórmula. Isto pode dar certo, mas somente para um número limitado de títulos. É necessário apostar mais em conteúdo original para que o público sinta que poderá ter uma experiência única na tela grande.

33Giga: E a realidade virtual, onde se encaixa no futuro cinematográfico?
DB: Com um público que agora assiste filmes em seu celular, a imersão de um filme mais tradicional é perdida. A realidade virtual poderá dar a imersão perdida sem precisar que o espectador saia de sua casa.

Se você tem alguma dúvida sobre tecnologia, escreva para 33giga@33giga.com.br e suas questões podem ser respondidas

Newsletter

Receba com exclusividade nossos conteúdos e o e-book sobre segurança na internet.